quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010









Ano de adesão:2004
Sistema Político:Républica
Capital:Varsóvia Superfície:313000 km2
População:38,6 milhões
Clima:Temperado Continental
Moedas:Zloti
Língua:Polaco e Alemão


História

A Polónia é povoada por eslavos no século I da Era Cristã. Em 966, um dos chefes tribais, o duque Mieszko I, impõe-se sobre a região, aceita o baptismo católico e torna-se o primeiro rei da nação. No século XVII, os suecos tomam o país. Contra eles unem-se austríacos, russos e dinamarqueses. A guerra arruína a Polónia e mata um terço da população. No fim do século XVIII, um movimento por reformas abre o Sejm à burguesia e reinstala a Monarquia hereditária. A aristocracia apela para a intervenção de tropas russas e prussianas. Os revolucionários são derrotados, e, em 1795, realiza-se a partilha da Polónia entre Rússia, Prússia e Áustria. O país só ressurge como Estado independente em 1918. Em 1939, no início da II Guerra Mundial, a Alemanha invade a Polónia pelo oeste e as tropas soviéticas ocupam a porção leste. Na região sob domínio nazista, que inclui Varsóvia, a enorme comunidade judaica é dizimada. Quando os alemães são derrotados, em 1945, a URSS impõe sua hegemonia: apesar de independente, a Polónia torna-se satélite soviético. Em 1956, após a morte do ditador soviético Josef Stálin, há uma relativa abertura do regime político polonês. Em 1970, o aumento dos preços provoca uma onda de greves que derruba Gomulka, substituído por Edward Gierek. No final da década de 70, operários liderados por Lech Walesa reivindicam o direito à greve e à legalização do sindicato livre Solidariedade. A URSS concentra tropas na fronteira e coloca no poder o ministro da Defesa, general Wojciech Jaruzelski. Ele decreta lei marcial, torna o sindicato ilegal e prende seus dirigentes. O movimento de oposição persiste nos anos 80 e recebe o apoio do papa João Paulo II. Em 1988, Jaruzelski enfrenta nova onda de greves. Reconhece, então, o Solidariedade e convida o jornalista Tadeusz Mazowiecki, ligado à entidade, para formar um gabinete de coalizão. A Assembleia aprova um programa de desestatização e emendas à Constituição. Em Janeiro de 1990, o Partido Comunista se dissolve. Em Dezembro, Lech Walesa passa a ser o primeiro presidente eleito da Polónia.


Política

Forma de governo:República com forma mista de governo.
Divisão administrativa: 16 províncias.
Principais partidos: coalizão Acção Eleitoral Solidariedade (AWS), coalizão Aliança Esquerda Democrática (SLD), União da Liberdade (UW), Partido dos Camponeses da Polónia (PSL), Movimento pela Reconstrução da Polónia (ROP).
Legislativo: bicameral - Senado, com 100 membros; Câmara, com 460 membros. Ambos eleitos por voto directo para mandato de 4 anos. A Polónia é uma democracia liberal que adopta o sistema parlamentarista de governo. O presidente é o chefe de Estado e o primeiro-ministro, chefe de governo. O governo compõe-se do conselho de ministros (gabinete). Incumbe ao presidente nomear o governo por proposta do primeiro-ministro, com base na maioria parlamentar (ou de coalizão) da câmara baixa do parlamento (o Sejm). O presidente é eleito por voto directo a cada cinco anos. Os membros do Sejm são eleitos pelo menos a cada quatro anos por voto directo. O parlamento polaco constitui-se de duas câmaras: o senado, com 100 cadeiras, e o Sejm, com 460 cadeiras. Este último é eleito por representação proporcional. Com excepção de partidos de minorias étnicas, apenas as agremiações que ultrapassem 5% dos votos nacionais podem ter deputados no Sejm. Quando em sessão conjunta, o senado e o Sejm formam a Assembleia Nacional (Zgromadzenie Narodowe), convocada quando o presidente assume o cargo, é indiciado pelo Tribunal de Estado ou é declarado incapaz devido a sua saúde. O poder Judiciário inclui o Supremo Tribunal da Polónia (Sad Najwyzszy), o Supremo Tribunal Administrativo, o Tribunal Constitucional e o Tribunal de Estado.


Subdivisões(regiões, divisões administrativas, províncias)

As actuais dezasseis províncias da Polónia ("voivodias", polonês: województwa, singular województwo) baseiam-se nas regiões históricas do país. As voivodias são governadas por "voivodas" (governadores) e seus órgãos legislativos chamam-se sejmiks. As voivodias subdividem-se em powiaty (singular powiat).


Geografia

A paisagem da Polónia consiste quase inteiramente em terras baixas da planície da Europa do Norte, com uma altitude média de 173 metros, embora os Sudetos (incluindo o Karkonosze) e os Cárpatos (incluindo os montes Tatra, onde se encontra o ponto mais alto da Polónia, o Rysy, com 2 499 m de altitude) formam a fronteira sul. Grandes rios atravessam a planície, nomeadamente o Vístula (Wisla), o Oder (Odra), o Wadra, e o Bug Ocidental. A Polónia contém ainda mais de 9 300 lagos, especialmente no norte do país. A Masúria (Mazury) é a maior e mais visitada região lacustre da Polónia. A Polónia tem um clima temperado, com Invernos frios, encobertos e moderadamente severos, com precipitação frequente, e verões suaves, com aguaceiros e trovoadas frequentes.

Legenda: Monte Rysy

Economia

A economia da é diversificada, dividida entre as indústrias de construção naval, produção de carvão, aço e energia eléctrica. A mais importante concentração industrial ocorre na Silésia, uma área muita rica em carvão mineral, onde ocorrem indústrias siderúrgicas, químicas e de maquinários. Outras áreas importantes são: Varsóvia - indústrias siderúrgicas e mecânicas - e Gdańsk - indústrias de produção naval. A agricultura baseia-se principalmente na produção de batata e beterraba açucareira, juntamente com a criação de gado porcino. Até ao início da década de 90, a Polónia foi uma economia planificada. Após a instauração do regime democrático a economia sofreu profundas reformas e tornou-se numa economia de mercado. Agora a Polónia pretende um desenvolvimento económico maior. O caminho encontrado é a entrada na União Europeia, mas ainda há uma resistência entre a população, que tem medo do aumento do custo de vida e da completa desnacionalização da economia.

Demografia

Desde o século XIV, a Polónia foi um estado multiétnico e multireligioso. Em 1385 a Polónia e a Lituânia assinaram o pacto da união pessoal. No século XVI o rei Zygmunt II August unificou os dois países (união real em Lublin – 1569). Foi fundado o Estado Polaco – Lituano. Neste século habitavam na Polónia 9 milhões de pessoas (40% eram polacos). As outras nacionalidades eram: os bielorussos, os ucranianos, os judeus, os arménios e os lituanos. No 1795 a Polónia foi invadida pela Rússia, a Áustria e a Prússia. Em 1918 recuperou a independência. Antes da Segunda Guerra Mundial moravam 35 000 000 habitantes: polacos (69%) ucranianos (14%), judeus (8,4%) e bielorussos (4%), alemães (2,3%) e lituanos. Depois de 1945 a Polónia tornou-se uns pais monolíticos (polacos 98%).

Legenda: Evolução demográfica da Polónia de 1961-2003


Religião

A maioria dos poloneses, actualmente, aderem à fé cristã, tendo em 2007 cerca de 88,4% pertencentes à Igreja Católica Romana(de acordo com as estatísticas oficiais do Estado para 2007). O Catolicismo desempenha um papel importante na vida de muitos poloneses e a Igreja Católica Romana tem imenso prestígio social e influência política. A Igreja é amplamente respeitada por ambos de seus membros e não-membros, que o vêem como um símbolo do património e cultura da Polónia. O resto da população é constituído principalmente dos da Igreja Ortodoxa e de vários protestantes minorias de religiosos.

Legenda: Igreja Católica Romana


Cultura

Divisão Linguística

A língua polaca é uma língua eslava ocidental, falada por cerca de 60 milhões de pessoas, a maioria das quais vive na Polónia. É também falada na Lituânia, Bielorússia, Ucrânia, Brasil, mas também no Reino Unido, na França, na Argentina, nos Estados Unidos da América, em Israel e no Canadá e em outros países. Este idioma é a língua eslava mais falada depois do russo.

Sistema Educativo

O sistema educativo polonês sofreu uma grande transformação na última década. O actual sistema de ensino foi introduzido em 1998/1999. Muitas coisas foram alteradas relativas à gestão, financiamento, inspeção, supervisão, orientação, professores de direitos e deveres. A estrutura atual do sistema é o seguinte: * Educação pré-escolar * Ensino Fundamental (período: 6 anos) * Ginásio (período: 3 anos) * Secundária (praso: 3 - 5 anos) * Ensino Superior (3 - 10 anos)


Ensino básico e secundário

A idade de entrada no sistema educacional polaco é de 7 anos. O número total de anos de ensino primário e secundário é de 12 ou 13. Ensino secundário são ministrados em 3-ano liceus geral ou em profissional, escolas secundárias, como o 3-ano do liceu especializada e 4-ano da escola técnica secundária. Além disso, existem 2-3-anos de ensino profissional básico, que são o único tipo de pós-escola primária que não dá acesso ao ensino superior. No final do ciclo de ensino secundário, os alunos podem fazer o exame de maturidade, isto é, normalizada realização de exame nacional do ensino secundário, e receber o certificado de maturidade. O exame é necessário para aceder ao ensino superior.


Ensino Superior

O ensino superior nas universidades do estado polonês, ao contrário de muitos outros países, é grátis. A maioria das grandes cidades têm bem estabelecidas as universidades e os maiores centros acadêmicos incluem Varsóvia, Cracóvia, Gdansk e Poznan. A mais antiga universidade de língua e uma das mais antigas da Europa que é Jagiellonian University, em Cracóvia. Há muitos programas de estudo. Eles podem assumir a forma de horas diárias, ou estudos de extensão universitária e de cursos à distância. Estudos diários é a forma predominante. Diplomados do ensino superior de cursos profissionais são atribuídos ao profissional título de licencjat ou inzynier após estudo 3-4 anos. Os graduados de instituições de ensino superior universitário tipo de ensino é atribuído o título profissional de magister ou equivalente após ter uniforme 5-cursos de nível magister ano ou 1,5 para 2-ano magister cursos complementares nível. Para se qualificar para a admissão de um instituição de ensino superior, o candidato deve possuir o certificado de maturidade. As regras de admissão ao primeiro ano de estudo são determinados de forma autónoma por cada instituição. Alguns organizam os concursos, outros usam os procedimentos de classificação com base na classificação final constantes do certificado de maturidade, outros ainda, admitir todos os que se aplicam.


Turismo

A Polónia é uma parte do mercado global de turismo com o número crescente de visitantes, especialmente após a adesão à União Europeia. Turismo na Polónia contribui para a economia global do país. As cidades mais populares são Varsóvia, Cracóvia, Wroclaw, Poznan, Lublin, Toruń, incluindo o sítio histórico do campo de concentração de Auschwitz perto Oświęcim. Destinos populares incluem nordeste distrito da polonia lado Mazury e Bialowiez. A Polónia é o país mais visitado por 14 turistas estrangeiros.


Atrações turísticas da Polónia

Polónia, especialmente depois de 1990 e juntando-se da União Europeia, se tornou um lugar frequentemente visitado por turistas. A maioria das atrações turísticas na Polônia estão conectados com o ambiente natural, sítios históricos e eventos culturais. Elas atraem milhões de turistas todos os anos de todo o mundo. Segundo dados do Instituto de Turismo, a Polónia foi visitado por turistas 15,7 milhões em 2006, e por 15 milhões de turistas em 2007.

Legenda: Castelo de Malbork


Gastronomia

Culinária da Polónia é uma mistura de tradições culinárias eslavas e estrangeiras. Surgida da mistura dos diversos costumes culinários das várias regiões da Polónia e culturas circunvizinhas, ela utiliza uma grande variedade de ingredientes. É rica em carne de todos os tipos e temperos, bem como de tipos diferentes de massas e bolinhos, sendo o mais popular deles o "pierogi". Assemelha-se à outras culinárias eslavas quanto ao uso de mingaus e de outros cereais, mas teve também uma grande influência das culinárias: turca, alemã, húngara, judaica, francesa e culinárias das coloniais do passado. No geral, a culinária da Polónia é rica, substancial e relativamente alta em gorduras. Um almoço típico é normalmente composto de pelo menos três pratos, começando com uma sopa, como barszcz, seguido talvez em um restaurante por um aperitivo de salmão ou arenque (preparado com creme, óleo ou vinagre). Outros aperitivos populares são patês feitos de vários tipos de carnes, legumes ou peixes. O prato principal pode ser bigos (chucrute com pedaços de carne e linguiça) ou schabowy (bistecas de porco empanadas). Termina com uma sobremesa, que pode ser um gelado ou, mais provavelmente um pedaço de (makowiec), bolo feito em casa com sementes de papoila, ou ainda drożdżówka, um tipo de bolo de levedo. Outras especialidades polonesas incluem chłodnik (uma sopa fria de beterraba para os dias quentes), golonka (juntas de carne de porco cozidas com legumes), kołduny (bolinhos de massa de carne), zrazy (fatias de carne de boi), salceson e flaki (tripas). Muitos pratos contêm queijo do tipo quark.

Legenda: Festival de pierogi na Cracóvia.


Música e Pintura

Música

A Polónia tem uma cena musical viva e diversificada e até mesmo os seus próprios géneros, como a poesia cantada e o disco polo. Inclui desde compositores famosos como Chopin ou Penderecki, até música folclórica tradicional ou regionalizada. Hoje, a Polónia é um dos muito poucos países europeus onde o rock e o hip hop predominam sobre o pop, enquanto que todos os géneros de música alternativa encorajam desenvolvimentos futuros da música polaca.


Pintura

No período da Polónia Jovem não há grandes correntes artísticos na arte polonesa. Os pintores e os escultores queriam continuar na tradição romana, introduzindo novos modos de expressão já popular no estrangeiro. A corrente mais influenciada foram as Arte Nova, inclusive se os artistas poloneses comenciaron a ir em procura também de novas formas de estilo nacional. Sejam a escultura que a pintura do período foi gravemente influídos por todas as formas do simbolismo.

Artistas principais do período
->Olga Boznańska
->Konstanty Brandel
->Xawery Dunikowski
->Julian Fałat
->Jacek Malczewski
->Józef Mehoffer
->Józef Pankiewicz
->Ferdynand Ruszczyc
->Jan Stanisławski
->Władysław Ślewiński
->Wojciech Weiss
->Leon Wyczółkowski
->Stanisław Wyspiański
->Jan Bukowski


Desporto

O desporto na Polónia inclui a prática de vários desportos, em particular: Atletismo, basquete, boxe, esgrima, futebol, futebol Americano, handebol, Hóquei no gelo, natação, vólei, e halterofilismo. O primeiro piloto polonés da Fórmula 1, Robert Kubica, também trouxe adeptos para esse desporto. O futebol é o mais popular do país, com uma rica história de competição internacional. Polónia também é um país tradicional na corrida de motocicletas speedway, graças à Tomasz Gollob, um habilidoso piloto polonés. As montanhas polonesas são locais ideais para caminhadas e ciclismo de montanha, atraindo milhões de turistas todos os anos de todo o mundo. As praias e balneários bálticos são locais populares para a pesca, canoagem, remo e uma vasta gama de outros desportos náuticos.

Legenda: Estádio Lech Poznan


video